CONECTE-SE
  • Grey Facebook Icon
  • YouTube - Grey Circle
LOCALIZAÇÃO

266 980 299

 

Av. Bento Jesus Caraça, 6

7160 - 280 Vila Viçosa

 

scmvv@sapo.pt

Instituição com mais de 500 anos que se dedica ao apoio a idosos, crianças e jovens.

SOBRE NÓS

SCMVV 2016

PATRIMÓNIO

O ARQUIVO HISTÓRICO DA SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE VILA VIÇOSA

O Arquivo Histórico da Santa Casa da Misericórdia de Vila Viçosa engloba uma totalidade de 422 códices e maços de documentos avulsos, dos

quais 40 foram registados e selecionados entre os que atualmente se conservam na Secretaria e Arquivos da atual Mesa Administrativa.

 

O Arquivo Histórico desta Instituição está, desde os anos 30 do século XX, integrado no Arquivo Histórico Municipal da Câmara de Vila Viçosa e contém documentação de excecional importância. Podemos com facilidade e precisão traçar, com base neste acervo, documentar a história da Instituição, desde a sua fundação nos inícios do século XVI (1508/09), até aos nossos dias, apesar de alguns lapsos documentais, fruto das vicissitudes do tempo.

 

Reconhecem-se como particularmente notáveis os 12 livros de Tombo, compreendidos entre 1576 e 1855, um precioso conjunto de sete Pergaminhos (1495-1682), que são cartas de padrão, perdões, remissões e escrituras, assim como uma não menos importante coleção de escrituras, testamentos e doações originais (1524-1815), ou ainda compromissos de 1577 e 1661, os livros de Capela, instituições semelhantes aos morgadios, com legados à Misericórdia por algumas das personalidades da vida local.

 

De salientar também os livros da Botica, dos Presos sustentados pela Misericórdia, dos defuntos (entre os quais se evidencia o livro de 1707-1762 que contêm os registos das vítimas que o terramoto de 1755 fez em Vila Viçosa).

Existem também documentos sobre as eleições das Mesas e da aceitação do Catálogo dos Irmãos, de 1581 a 1889, dos doentes (1589-1884), com relevo especial para a larga e discriminada entrada e saída de doentes militares; dos estatutos do Colégio dos Meninos Orfãos (1667) e os 152 livros de receita e despesa de 1543 a 1874.

De entre os códigos mais antigos, importantes e curiosos, destacam-se o Catálogo de Irmãos, feito no ano de 1661, para assento “dos que têm servido na Irmandade”. Extraído dos livros mais antigos, alguns deles certamente inexistentes hoje, este precioso registo evoca dezenas de nomes daqueles que, provedores ou simples irmãos, serviram sucessivas Mesas da Misericórdia de Vila Viçosa.

 

Nomeiam-se, por exemplo, D. Teodósio II, (7º Duque de Bragança), um dos mais notáveis beneméritos da Santa Casa e os seus irmãos D. Duarte e D. Alexandre, este último Arcebispo de Évora.

 Também se destacam os nomes de D. João IV e de seu filho, D. Teodósio; Afonso de Lucena, secretário de D. Catarina de Bragança, Francisco de Lucena, Morgado de Peixinhos e secretário de D. Catarina em Inglaterra; António Vieira, músico distinto da Capela Ducal e discípulo de João Lourenço Rebelo; D. Afonso de Noronha, capitão-mor das Armadas Reais na India; Dr. André António de Castro, médico no Paço desde 1586 e autor de um tratado sobre o valor dos alimentos (1636); António Cavide, fidalgo da confiança de D. João IV e depois secretário de D. Afonso VI; António Galvão de Andrade, celebrado autor da “Arte da Cavalaria”; D. Constantino de Bragança, filho de D. Jaime, que foi o 7º Vice-Rei da India; Cristovão de Brito Pereira, defensor de Vila Viçosa nas vésperas de Montes Claros; os Condes de Galveias da Família Melo e castro; Francisco de Morais Sardinha, autor do “Parnaso de Vila Viçosa” (1618), Fernão de Sousa, governador de Angola por nomeação de Filipe III; Salvador de Brito Pereira, trinchante do Duque D. João II com quem seguiu para a corte em Lisboa, pai do famoso São João de Brito; Gomes Freire de Andrade, conde da Bobadela e governador do Rio de Janeiro; Pedro de Andrade Caminha, notável poeta da época camoniana e Francisco de Sá Miranda.

Trata-se pois de um acervo de notável importância para o estudo da vida social, económica, política, militar e religiosa de cinco séculos ao dispor dos investigadores.

 

O estudo e catalogação do Arquivo da Santa Casa da Misericórdia foi efetuado pelo Bibliotecário Arquivista Dr. Manuel Inácio Pestana, numa edição da Câmara Municipal de Vila Viçosa em 1990., com base num tratamento arquivístico efetuado no decurso dos anos oitenta do século XX. Esta obra contém o Inventário dos documentos da Santa Casa da Misericórdia e constitui uma ferramenta fundamental para a compreensão da História desta Instituição.

 

Mais recentemente, a Prof.ª Doutora Maria Marta Lobo de Araújo (Universidade do Minho), em 2009, apresentou um estudo sobre a Instituição, onde a componente arquivística foi atualizada. Este documento foi publicado pela Santa Casa da Misericórdia de Vila Viçosa em 2012.

 

FONTE:

PESTANA, Manuel Inácio, Arquivos Históricos Municipais de Vila Viçosa, Câmara Municipal de Vila Viçosa, Vila Viçosa, 1990.

 

 Dr. Tiago Salgueiro

CASA DE FRESCO SOLAR DOS SANCHES DE BAENA CLASSIFICADA COMO IMOVEL DE INTERESSE MUNICIPAL.

A Casa de Fresco do Solar dos Sanches de Baena, foi classificada no dia 27 de janeiro de 2015, como Imóvel de interesse Municipal. Este facto permite que sejam criadas condições para a reabilitação deste espaço, uma antiga nora no Centro Histórico de Vila Viçosa, que contêm pinturas a fresco, estuques e embrechados. Este espaço pertence à Santa Casa da Misericórdia de Vila Viçosa e tem vindo a ser estudado pelo Laboratório HÉRCULES da Universidade de Évora! Este passo era fundamental para definir a estratégia de recuperação deste misterioso e encantador lugar e permitir deste modo a sua abertura ao público, integrada num circuito de valorização das pinturas a fresco nesta localidade.

1 / 1

Please reload